A Casa Senhorial

  • Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte

Palácio Jorge O'Neill, Estudo 2

Palácio Jorge O'Neill, Estudo 2
XIX - XX
Portugal
   

Palácio Jorge O’Neill: Estudo Prévio, Luigi Manini, c.1897.

Grafiti sobre papel

S/esc. Dim. 455x603 mm

Itália, Crema, Museu Civico di Crema e del Cremasco, inv. Nº 0263G.


Nota:

Pela legenda que assinala “Estudo perspectivo para o Sr. George O’Neill para Cascais” podemos confirmar  tratando-se de estudo prévio para o edifício, hoje conhecido por Palácio dos Condes de Castro Guimarães.  Embora o projecto final tenha sido entregue ao arquitecto José Vilaça, verificamos que as linhas fundamentais  deste projecto, tanto ao nível de seu enquadramento, morfologia e programa distributivo, foram definidas logo no início por Luigi Manini. É assim de Manini a opção neo manuelina como o sentido palaciano, onde o edifício se desdobra numa requintada sequência de galerias, varandas e terraços.

Este estudo prévio revela-se, a outro nível, como um notável documento do processo criativo de Manini onde a planta é desenvolvida em íntima articulação com perspectivas. Sem dúvida pela sua formação de pintor e cenógrafo, mas afirmando-se como uma mais valia, a primazia dada às perspectivas garantia a Manini uma estratégia conceptual mais globalizante, não só na  morfologia do edifício – o equilíbrio das massas arquitectónicas - como nas suas relações com o lugar e respectivo enquadramento paisagístico. Nesta aproximação globalizante, Manini privilegia a implantação do edifício num terreno inclinado. Enraizando a casa na terra o novo edifício, desfrutando de largas vistas imprime uma nova dimensão paisagista ao local transformando o sítio em “lugar”. Num duplo movimento o projecto é pensado como objecto qualificador da paisagem e como uma estrutura interior que usufrui de um lugar.


Bibliografia:

Carita, Helder, “Quinta da Regaleira, Projecto e Método” in Luigi Manini, Imaginário e Método, Arquitectura e cenografia,- Catálogo Sintra, Edição Fundação Cultursinta, 2005


 

PTCD/EAT-HAT/11229/2009