A Casa Senhorial

  • Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte

Palácio Jorge O'Neill, Estudo 1

Palácio Jorge O'Neill, Estudo 1
XIX - XX
Portugal
   

Palácio Jorge O’Neill: Estudo Prévio, Luigi Manini [Assin.], c.1897.

Grafiti sobre papel

S/esc. Dim.407x603 mm

Itália, Crema, Museu Civico di Crema e del Cremasco, inv. Nº 0263G.


Nota:

Pela dedicatória e assinatura inserida no desenho “para o Sr. Jorge O’Neill”, podemos confirmar tratar-se de estudo prévio para a Casa de Jorge o’Neill, em Cascais Tendo o projecto final sido assinado pelo arquitecto José Vilaça verificamos, no entanto, através destes esquissos que as linhas fundamentais  deste projecto foram definidas por Manini, tanto ao nível de enquadramento paisagístico, morfologia e programa distributivo.

Este estudo prévio revela-se ainda, a outro nível, como um notável documento do seu processo criativo e do seu método conceptual.  Em paralelo com outros projectos, a planta não surge em interdependência com alçados, mas com perspectivas de conjunto, afastando-se de uma atitude mais académica de eleição da fachada principal como elemento preferencial do projecto arquitectónico. Neste método a planta é desenvolvida com perspectivas sendo só numa fase final elaborados os alçados entendidos, aqui, como instrumentos de suporte ao processo de construção. Sem dúvida pela sua formação de pintor e cenógrafo, mas afirmando-se como uma mais valia, a primazia dada às perspectivas garantia a Manini uma estratégia conceptual mais globalizante, não só na  morfologia do edifício – o equilíbrio das massas arquitectónicas - como nas suas relações com o lugar e respectivo enquadramento paisagístico. Nesta aproximação globalizante Manini privilegia a implantação do edifício do palácio num terreno inclinado. Enraizando a casa na terra o novo edifício, desfrutando de largas vistas imprime uma nova dimensão paisagista ao local transformando o sítio em “lugar”. Num duplo movimento o projecto é pensado como objecto qualificador da paisagem e como uma estrutura interior que usufrui de um lugar.


Bibliografia:

Carita. Helder, A Casa Senhorial em Portugal, Modelos, tipologias, Programas Interiores e Equipamento, Lisboa, Leya, 2015. Pp. 541-544.

Pereira, Denise; Luckhursr, Gerard, “Entre Sintra e cascais”,  in, Luigimanini-Imaginário e Método, Arquitectura e Cenografia,- Catálogo, Sintra, Edição Fundação Cultursinta, 2005, pp.76-89.



 

PTCD/EAT-HAT/11229/2009