A Casa Senhorial

  • Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte

Palácio de Vendas Novas

Palácio de Vendas Novas
XIX - XX
Portugal
   

Palácio de Vendas Novas

Anónimo, 1817.

Biblioteca do Arquivo Histórico das Obras públicas- Des. 8-1C


Nota:

Embora dos inícios do século XIX,  este desenho fornece uma planta do Palácio de Vendas Novas, construído no ano de 1728, no âmbito das celebrações do casamento dos infantes portugueses e espanhóis, com a finalidade de alojar a comitiva real na sua passagem pelo Alentejo.  Da autoria do então coronel José da Silva Paes no projecto terá trabalhado  também o Arq. Custódio Vieira, então jovem oficial.

A originalidade da proposta do Palácio de Vendas Novas assenta, sobretudo, na sua coerência arquitectónica e teorética, que, partindo de esquemas e tradições construtivas portuguesas, concebe um modelo de edifício onde, o programa interior se articula de forma lógica e harmónica com o desenho e composição dos alçados.  De forma mais racionalizada, o corpo central, conformado pelo conjunto de vestíbulo de entrada, escadarias, patamares e salão, acaba por se instituir como núcleo gerador de todo o programa arquitectónico, articulando-se, em planta, com duas alas laterais e simétricas, e acrescentando coerência ao esquema distributivo interior. A partir do grande vestíbulo de entrada, concebido para permitir o acesso de coches, no piso térreo geram-se, para a direita e para a esquerda ligações a cocheiras e cavalariças, da mesma maneira que, no patim superior, os dois portais situados simetricamente, à esquerda e à direita, dão acesso a duas alas independentes do piso nobre.


Bibliografia

Carita, Helder,« O núcleo de “escadas reais” e a formação de um modelo de palácio barroco: de João Antunes a André Soares» in IV Congresso História da Arte Portuguesa em Homenagem a José-Augusto França, Lisboa, APHA, 2014, pp.122-132.

Sousa Viterbo - Dicionário Histórico e Documental dos Arquitectos, Engenheiros e Construtores Portugueses, Lisboa,Imprensa Nacional-Casa da Moeda,  vol. III, p.41.



 

PTCD/EAT-HAT/11229/2009