A Casa Senhorial

  • Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte

Quinta do Beau-Séjour

Quinta do Beau-Séjour
XIX - XX
Portugal

Fábrica Viúva Lamego (azulejos da fachada), Fábrica de Faianças das Caldas da Rainha (cerâmica relevada), Francisco Vilaça (pintor), Columbano Bordalo Pinheiro (pintor), Maria Augusta Bordalo Pinheiro (pintora), Rafael Bordalo Pinheiro (escultor-ceramista), Leandro Braga (entalhador), João Baptista Collomb (marceneiro)

Arquitectura

Inserido na malha da cidade, no interior de um lote murado, o edifício é circundado pelo jardim a toda a volta. Implantado numa zona sobre-elevada em relação à rua, o palacete está localizado na zona nordeste da quinta, afastado 40 metros da Estrada de Benfica, com acesso pelo nº 368. O terreno com o jardim até à fachada é plano e após o palacete entra em declive ascendente de Sul para Norte. Pertence à freguesia de São Domingos de Benfica.

beaux_sejour beaux_sejour_por beausejour2

A morfologia do edifício assenta na composição de um prisma rectangular regular, com dois volumes quadrangulares adossados às fachadas laterais, elevando-se acima do piso térreo, constituindo-se como dois torreões colaterais. Estes apresentam telhado de duas águas, visualmente imperceptíveis pela platibanda que remata o seu topo. O corpo central tem a cobertura com quatro águas que correspondem a uma intersecção de dois telhados de duas águas, um referente ao corpo do edifício longitudinal e outro referente ao remate central da fachada e do alçado posterior.

O edifício organiza-se em três pisos, correspondendo ao piso -1, 0 e 1. O piso -1 corresponde a uma zona de arrumos. No piso térreo situa-se toda a zona de recepção, na zona este do palacete. A Oeste situa-se uma zona privada junto à fachada e uma de serviços a, Norte, com a cozinha. O piso 1 corresponde aos dois quartos principais nos topos do edifício, um pequeno conjunto de quartos e restantes acomodações para serviços.


dsc_0005 dsc_0027 dsc_0025 dsc_0026

Voltada a Sul, para o jardim, antecedida de terraço em plataforma gradeada provida de pequena escadaria central. Esta fachada, tal como todas as outras, é revestida de azulejos de padrão com motivos florais estilizados em amarelo, azul e manganês, e percorrida por embasamento de cantaria pouco saliente.

É composta por três corpos, um central de piso único corrido e dois laterais, mais elevados, com dois pisos, separados por pilastras e delimitados por cunhais. No corpo central abre-se um portal em arco pleno, de moldura pétrea, com fecho e enjuntas decoradas, rematada por cornija, tendo de cada lado três janelas de moldura em arco quebrado, providas de guardas de ferro fundido. Sobre os fechos corre um friso liso revestido de azulejos monocromáticos brancos encimado por cornija. Esta é rematada por platibanda revestida por azulejos com motivos de meios-óvulos em amarelo, azul e verde, provida de pilastras que suportam vasos de pedra e pináculos rematados por pinhas. Na zona central da fachada, sobre a platibanda, um grande frontão curvo decorado com filetes em forma de leque, revestido de azulejos azuis e amarelos e rematado por grande vaso de pedra. Sobre o telhado há quatro trapeiras.

Nos corpos laterais, o piso térreo é marcado por um corpo avançado semicircular, vazado por três janelas rectangulares, com fecho estriado, rematado por friso liso revestido de azulejos brancos, encimado por cornija. Nesta assenta a guarda de ferro fundido do terraço para onde abrem as triplas portas-janelas em arco pleno, sobre colunelos, do piso superior. Remate em platibanda idêntica à do corpo central, onde se encaixa um frontão em arco quebrado, de decoração em leque, igualmente revestido de azulejos azuis e amarelos.

dsc_0006 dsc_0001 dsc_0003 dsc_0004 dsc_0008 dsc_0009 dsc_0015 dsc_0019 dsc_0018 dsc_0017 dsc_0012 dsc_0021 dsc_0014

Possuem dois pisos, o térreo com duas janelas em arco quebrado e o superior com duas janelas em arco pleno, separados por friso liso revestido de azulejos brancos encimado por cornija, que se repete no remate sob a platibanda idêntica à da fachada principal, com dois vasos sobre os cunhais.

Fachada posterior

Voltada a Norte e composta por um corpo central avançado relativamente aos dois laterais, que apresentam duas janelas em arco quebrado, no piso térreo, duas janelas em arco pleno no primeiro piso e remate em platibanda com pináculos nos extremos. Sobre os telhados existem duas trapeiras.

Nas faces laterais do corpo central abre-se uma porta em arco quebrado e no piso superior uma pequena janela rectangular, num pano de parede contracurvado. A face frontal é marcada, no piso térreo, por uma porta em arco-quebrado ladeada por três janelas do mesmo perfil, encimadas por friso e cornija idênticos aos das restantes fachadas. No piso superior abrem-se três janelões em arco quebrado, o central de sacada com varandim de ferro fundido e as laterais com guardas do mesmo material. Remate em empena angular.

Do lado esquerdo adossa-se um anexo de madeira envidraçado que esconde parcialmente o pano de parede lateral do corpo central e o pano do corpo lateral esquerdo.
dsc_0027 dsc_0025 dsc_0026 dsc_0030 dsc_0022 dsc_0024 dsc_0029 dsc_0033

AA.VV. – Catálogo de Valiosas Pinturas Contemporâneas Portuguesas, Mobiliário, Antiguidades, etc., Lisboa, Soares & Mendonça, 1971.

BARBOSA, Inácio Vilhena – “Fragmentos de um Roteiro de Lisboa”, in Annuario do Archivo Pittoresco, tomo VI, Lisboa, 1863.

file:///C:/Documents%20and%20Settings/%C2%BB/Ambiente%20de%20trabalho/R.%20Bordalo%20Pinheiro%20%20b.s.%20interiores.html

MOITA, Irisalva  – “Cerâmica de Rafael Bordalo Pinheiro no Palácio Galveias”, in Lisboa. Revista Municipal, ano XLVI, 2ª série,nº 14, 4º trimestre de 1985, pp. 36-46. 

PROENÇA, Pe. Álvaro – Benfica Através dos Tempos, Lisboa, 1964.

VALE, Teresa Leonor – O Beau Séjour: Uma Quinta Romântica de Lisboa, Lisboa, Livros Horizonte, 1992.

VALE, Teresa e GOMES, Carlos – Quinta das Campainhas / Quinta do Beau-Séjour / Palácio do Beau-Séjour / Gabinete de Estudos Olisiponenses, IHRU, 1993. http://www.monumentos.pt/Site/APP_PagesUser/SIPA.aspx?id=5597


Séc. XIX

1849 – compra da Quinta das Louras ou das Loureiras por Ermelinda Allen de Almeida, viscondessa da Regaleira, a João Veríssimo de Barros Viana e sua mulher, D. Maria Inácia dos Santos, passando a mesma a designar-se Quinta Beau-Séjour. Foi então construído o palacete por iniciativa da viscondessa, uma casa de Verão rodeada de um jardim romântico, seguindo modelos arquitectónicos de influência anglo-brasileira.

1859 – Isabel Allen Palmeiro, baronesa da Regaleira, sobrinha e herdeira da viscondessa, vende a quinta a António José Leite Guimarães, barão da Glória, um brasileiro abastado, que mandou revestir o palacete com azulejos de estampilha da Fábrica Viúva Lamego.

1876 – por morte do barão da Glória, o Beau-Séjour passou para a posse de seus sobrinhos e herdeiros, José Leite Guimarães e Maria da Glória Leite.

1887 – teve início uma importante campanha de enriquecimento artístico do palacete que durou cinco anos, com intervenções de Francisco Vilaça, Columbano Bordalo Pinheiro, Maria Augusta Bordalo Pinheiro, Rafael Bordalo Pinheiro, Leandro Braga e João Baptista Collomb, entre outros artistas e artífices. Os móveis, tecidos, serviços e instrumentos musicais foram adquiridos em Paris por Francisco Vilaça.

Séc. XX

1930 / 1950 – após passar para a posse de uma afilhada de Maria da Glória Leite e de seu marido, Augusto Fernandes de Almeida, a Quinta das Campainhas, como era então conhecida a propriedade, pelo som de uns sinos pendurados num dos abrigos do jardim, conheceu várias campanhas de obras de beneficiação, permanecendo na posse da família Dias de Almeida até ao início da década de 70.

1971 – leilão do recheio do palacete, constituído sobretudo por pinturas e peças de mobiliário. O edifício foi adquirido pelos Irmãos Maristas que aí instalaram um colégio.

1971 / 1980 – realização de alterações impostas pela nova funcionalidade, como a subdivisão do espaço entre os 2 torreões do 1º andar e o revestimento de vários compartimentos com papéis de parede.

Década de 80 – aquisição do edifício pela Câmara Municipal de Lisboa.

1989 / 1992 – obras de restauro a cargo da Câmara Municipal de Lisboa, sob a direcção do arquitecto Jorge Matos Alves, com a finalidade de adaptar o palacete a instalação do Gabinete de Estudos Olisiponenses: recuperação dos elementos arquitectónicos e decorativos deteriorados; redimensionamento de compartimentos; aproveitamento da área da cave como depósito da biblioteca; transformação da copa e despensa em 2 lavabos; colocação de uma escada metálica no r/c de acesso à cave, no topo nascente; redimensionamento do sótão, em particular do lado norte; restauro das pinturas dos tectos nos antigos salão dourado, sala de jantar, sala de música e galeria ou sala dos quadros, bem como do painel cerâmico contendo o lavabo e do candeeiro da sala de jantar, da autoria de Rafael Bordalo Pinheiro; pintura de paredes, portas, janelas e gradeamentos; recuperação dos estuques decorativos de tectos e sancas; substituição de caixilharia e cobertura da marquise (antiga sala de jogos) e nivelamento do pavimento da varanda que circunda o palacete; recuperação do jardim pela arquitecta paisagista Luísa Ferraz, da Câmara Municipal de Lisboa.

1992 - instalação do Gabinete de Estudos Olisiponenses.


Câmara Municipal de Lisboa: Arquivo de Obras, pº nº 7976

IPPAR: pº nº JN 12/3 (120)

Coordenação:   Isabel Mendonça  /  Helder Carita     Julho de 2014  

Autoria dos textos referentes aos campos da ficha:

Isabel Mendonça – Estuques

Lina Oliveira – Arquitectura (Fachadas, Cronologia, Bibliografia) / Azulejaria / Pintura Decorativa / Decoração diversa / Equipamento Móvel

Tiago Molarinho Antunes – Arquitectura (Enquadramento Urbano e Paisagístico, Morfologia e Composição) / Programa Interior

Programa Interior
Piso -1

Corresponde a um conjunto de divisões intercomunicantes ortogonais e o acesso faz-se por uma escada em caracol no seguimento da escadaria, a Este. Neste piso situa-se a antiga caixa forte, imediatamente à direita de quem desce a escada.


Piso  0

O piso térreo integra um conjunto de divisões ortogonais e apresenta dois tipos de comunicações. À direita, numa zona de recepção, as divisões são intercomunicantes. À esquerda, a comunicação, também intercomunicante, é feita pelo corredor longitudinal, tendo uma única divisão interior junto à fachada que comunica unicamente com o corredor. A entrada principal faz-se a eixo da fachada, para um pequeno corredor que comunica com um vestíbulo na zona posterior. A meio situa-se um corredor longitudinal que acede, nos dois topos, a uma escada em caracol com comunicação ao piso 1. A escada situada à direita, a Sudoeste, comunica com o piso -1.


Piso  1

Mantém-se o corredor longitudinal como forma de distribuição interior, com um conjunto de divisões que aproveitam o vão da cobertura de quatro águas. Nos topos situam-se os quartos principais.


Azulejaria
Piso 0, divisão 3

Painéis de azulejos de estampagem do século XIX, integrados no fogão de sala, com padrões geométricos e flores estilizadas.

Piso 0, divisão 5

Painéis de azulejos relevados e policromados do século XIX, da fábrica Bordalo Pinheiro, integrados no peitoril das janelas interiores, numa composição ornamental com rãs e nenúfares.

Piso 0, divisão 6

Cercadura do lavatório com azulejos relevados e policromados do século XIX, da fábrica Bordalo Pinheiro, numa composição ornamental com rãs e nenúfares.

Estuques
Piso 0, divisão 1

Várias molduras de gosto revivalista – arcos trilobados, conteados e flores de lis – percorrem os lados do tecto, enquadrando a composição central em que se conjugam rosetas e laçarias. 

Piso 0, divisão 2

Um friso de arcarias trilobadas rodeia o tecto pintado por Francisco Vilaça. Quatro palmas de recorte naturalista ladeiam as figuras alegóricas da Escultura e da Pintura.

Piso 0, divisão 4

Nas paredes desta sala, dedicada à música, encontramos flautas de Pan nas enjuntas dos arcos das portas. O tecto é também decorado com temas alusivos à música: um friso de instrumentos de corda (feitos com carapaças de tartarugas e chifres de boi) percorre a sanca. No pano central, dos lados de uma pintura do deus Pan, repetem-se os mesmos instrumentos de cordas, de onde pendem flautas de Pan e grinaldas com folhas de loureiro. Nos quatro cantos do tecto estão figuradas panóplias com instrumentos musicais.

Piso 0, divisão 5

Na casa de jantar, uma original composição de frutos e legumes, representados de forma naturalista, preenche uma moldura que por sua vez enquadra uma pintura com flores pintadas por Maria Augusta Bordalo Pinheiro e um candeeiro em cerâmica de Rafael Bordalo Pinheiro.

Piso 0, divisão 7

Tecto percorrido por molduras com óvulos e dardos, ornatos vegetalistas, laçarias e palmetas, enquadrando composição central com temática idêntica.

Piso 0, divisão 8

Tecto em estuque imitando a madeira entalhada e incisa. Um friso relevado de arcarias trilobadas, de gosto revivalista, percorre a sanca. Enrolamentos vegetalistas incisos decoram o painel central, de perfil losangular.

Piso 0, divisão 9

Tecto em estuque imitando os veios da madeira de cores contrastantes. No pano central, alinhados no eixo longitudinal, 3 painéis conjugam elementos vegetalistas e laçarias. Motivos idênticos percorrem a sanca.

Piso 0, divisão 10

Um friso de arcaria entrelaçada e vazada em branco sobre fundo verde musgo, de belo efeito decorativo, percorre a sanca. Uma faixa de engradados e várias molduras enquadram o pano central em que se conjugam elementos vegetalistas e laçarias.

Piso 0, divisão 11

O sanqueado é percorrido por friso de laçarias e ornatos vegetalistas que igualmente decoram os painéis com molduras polilobadas que preenchem o pano central. Gradinhas na cúpula da bow-window; caixotões com rosetas no intradorso do arco.

Piso 0, divisão 12

O tecto de perfil circular é preenchido por moldura com franja de lises que igualmente decora o florão de onde pende o candeeiro.

Pintura Decorativa
pbeau_sej_p0n  
Piso 0, divisão 2

Tecto pintado por Francisco Vilaça, com figuras alegóricas ou musas da Pintura (com uma paleta) e da Escultura (com uma palma, que se repete em relevo fora da tela), acompanhadas de faixas onde estão pintadas medalhas de gosto renascentista, com inscrição alusiva às duas artes e os bustos de Rafael e Miguel Ângelo, guarnecidas de ramos de loureiro.

Piso 0, divisão 3

Tecto revestido com pintura perspectivada em tela de Columbano Bordalo Pinheiro intitulada O Carnaval de Veneza, representando arquitecturas fingidas que se rematam por uma claraboia, vendo-se num balcão cinco figuras trajadas de fatos de máscara barrocos, tocando, cantando e festejando alegremente.

Piso 0, divisão 4

Tecto pintado centrado por medalhão elíptico com figura de trajes esvoaçantes a tocar flauta, enquadrado por faixas com pinturas alusivas à música e instrumentos musicais tocados por máscaras, acompanhando os estuques da mesma temática, de Francisco Vilaça.

Bandeira de arco pintada pelo mesmo autor em trompe l’oeil, com uma herma de figura masculina coroada por um crescente, talvez representando Baco, ladeada por uma criança e uma jovem rapariga que lhe oferecem uma palma, folhas de videira e um vaso.

Piso 0, divisão 5

Pinturas dos painéis dos ângulos do tecto com motivos vegetalistas e florais, por Maria Augusta Bordalo Pinheiro.

Piso 0, divisão 10

Pintura mural com padrão de riscas em amarelo e azul.

Piso 0, divisão 12

Pintura mural imitando silhar de pedras mármore creme e amarelo, perfilado por friso verde a imitar madeira.

Decoração Diversa
pbeau_sej_p0n  
Piso 0, divisão 1

Portas com molduras de madeira em arco pleno.

Pavimento de mosaico cerâmico branco e vermelho, formando padrão de octógonos e quadrados com cercadura de filetes, dentes de serra e losangos.
Piso 0, divisão 2

Portas com molduras de madeira em arco quebrado.

Pavimento de parquet de madeira compondo padrão de quadrados de duplos filetes, da autoria de João Baptista Collomb.

Piso 0, divisão 3

Porta com moldura de madeira pintada de branco e dourado, formando um arco deprimido de lanços no intradorso, com as enjuntas decoradas com elementos vegetalistas, encimada por frontão curvo sobre consolas inferiormente rematadas por folhagem, duplamente perfilado por óvulos e folhas estilizadas, com florão no tímpano.

Paredes apaineladas com silhar de madeira pintado de branco e dourado formando rectângulos de cantos curvos preenchidos com rosetas, que se repetem nos cantos das molduras dos painéis.

Sanca apainelada, saliente, sobre pequenas mísulas volutadas e guarnecida por friso de folhas estilizadas e florão cantonal no tecto, dentro de moldura triangular curva.

Pavimento em parquet de madeira formando padrão de quadrados perfilados com os vértices entrelaçados, da autoria de João Baptista Collomb.

Lareira de mármore negro com decoração floral e estriada, guarnecida com duplas filas de azulejos brancos e castanhos com elementos florais, embutida numa estrutura de madeira com rosetas cantonais, combinando com o apainelado das paredes.

Piso 0, divisão 4

Portas emolduradas de madeira em arco pleno e paredes apaineladas, atribuídas a Leandro Braga.

Pavimento em parquet de madeira formando padrão de hexágonos entrelaçados e estrelas de 6 pontas, emoldurado com cercadura de duplos meandros quebrados entrelaçados e percorridos por filete, rematado por estrela de 4 pontas entre molduras filetadas em forma de cauda de andorinha. Parquet da autoria de João Baptista Collomb.

Piso 0, divisão 5

Vãos moldurados em arco quebrado.

Lareira em calcário vermelho com pedra lisa de tampo saliente de duplo rebordo boleado, com armação interior de ferro decorada com motivos concheados, vegetalistas e geométricos.

Lustre de cerâmica pendente de grande florão do mesmo, com parras e grandes cachos de uvas, folhagens, frutos e legumes, da autoria de Rafael Bordalo Pinheiro.

Vasos cúbicos de cerâmica relevada com elementos florais, de Rafael Bordalo Pinheiro.

Medalhão circular com busto relevado de Rafael Bordalo Pinheiro em branco, circundado por moldura polícroma de folhas, flores e frutos formando coroa enastrada.

Arcada de madeira em duplos arcos quebrados, com portadas e janelas envidraçadas, com as bandeiras providas de vitrais com motivos florais.

Tecto apainelado guarnecido de sanca com friso relevado policromado com folhas, flores, frutos e legumes, de Rafael Bordalo Pinheiro.

Pavimento em parquet de madeira formando padrão de quadrados filetados, da autoria de João Baptista Collomb.

Piso 0, divisão 6

Grande painel de cerâmica relevada e policromada com lavabo, de Rafael Bordalo Pinheiro, executado pela Sociedade Fabril das Caldas, que apresenta uma composição com pratos de caça, crustáceos, peixes, algas, conchas, rãs, répteis, abelhas, andorinhas e um golfinho em alto-relevo que serve de bica, sobre uma taça em forma de concha, tudo envolvido num enquadramento de folhagens e flores encimado por pé com 3 girassóis e emoldurado por uma cercadura de azulejos relevados com motivos de nenúfares e rãs e friso de malmequeres.

Pavimento de mosaico cerâmico com placas brancas, cinzentas, vermelhas e negras, formando padrão de motivos geométricos com formas estreladas, cruciformes e quadrangulares.

Piso 0, divisão 9

Pavimento em parquet de madeira formando padrão de cruzes lanceoladas, da autoria de João Baptista Collomb.

Piso 0, divisão 10

Pavimento em parquet de madeira formando padrão de “nós de Salomão” quebrados, de moldura quadrangular perfilada, da autoria de João Baptista Collomb.

Equipamento Móvel
pbeau_sej_p0n  
Piso 0, divisão 5

Bufete aparador revivalista com tampo de mármore e uma gaveta; as prumadas são decoradas com azulejos revelados de Rafael Bordalo Pinheiro, figurando folhas de nenúfar alternando com malmequeres; a gaveta mostra escudetes e puxadores em metal amarelo.

Sobre o aparador está colocado um prato circular em cerâmica relevada, figurando o busto de Rafael Bordalo Pinheiro, com moldura de frutos polícromos de gosto della-robbiano; em volta do busto a inscrição: “Raphael Bordallo Pinheiro. Mestre”.

Equipamento Diverso



containertab

Validar
Validar
Validar
Validar
Validar
Validar
Validar
 

PTCD/EAT-HAT/11229/2009