A Casa Senhorial

  • Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte

Palacete da Quinta Nova da Assunção

Palacete da Quinta Nova da Assunção
Palacete da Família Silva Rego
XIX - XX
1863
Portugal

Luís Ferreira (pintor de azulejos)

Arquitectura

Inserido em ambiente rural, situa-se fora de Lisboa, no concelho de Sintra. O seu acesso faz-se pela estrada nacional 117, através do adro da igreja e da rua José Maria Rego. Situa-se na zona sul da quinta.

untitled-4 untitled-5 untitled-2 foto_ant_peb

O palacete da Quinta Nova d’Assunção assenta num socalco elevado em relação à rua, nivelado a piso térreo no contacto directo com o jardim. O edifício tem dois pisos, sendo o superior um aproveitamento da cobertura. Visualmente, o piso 1 encontra-se anulado pela platibanda vazada e pelos frontões que marcam o eixo de cada fachada. A entrada principal situa-se portanto elevada em relação à rua, sendo a sua altura vencida por uma escadaria exterior fixada à fachada sudeste. As restantes fachadas estão em contacto com o jardim.

fachada 2 fachada3 dsc_0411

Frontaria voltada a Sudeste, antecedida de pátio circundado por muro baixo gradeado, centrado por grande portão de ferro forjado e grades, flanqueado por pilares almofadados rematados por urnas.

Possui piso único sobre elevado num pódio marcado pelo embasamento de cantaria, a que se encosta uma escadaria transversal de dois lanços convergentes centrados por patamar, com guardas de ferro fundido.

Apresenta três panos em organização simétrica divididos por pilastras duplas e delimitados por cunhais duplos, sendo as paredes preenchidas com almofadas geométricos a envolver a fenestração, o que acontece em todas as fachadas.

No pano central abre-se uma porta em arco pleno com fecho volutado estriado, encimada por cornija sobre duas mísulas apoiadas em volutas que prolongam as ombreiras da porta, sendo esta flanqueada por duas portas-janelas com guardas de ferro e moldura em arco pleno com fecho volutado. Este pano é rematado por frontão vazado por óculo.

Nos panos extremos há duas janelas idênticas às anteriores, mas encimadas por cornija rectilínea. O remate dos mesmos é em platibanda rendilhada sobre cornija, com urnas sobre os pilaretes, a eixo das pilastras e cunhais.
fachada 2 fachada3

Fachada lateral Sudoeste:

Voltada a um terraço elevado, assente sobre pano de muro gradeado com pilaretes almofadados. Possui cinco panos em organização simétrica, divididos por pilastras duplas.

Ao centro uma porta-janela de moldura em arco pleno, encimada por pequeno frontão, ladeada por duas portas-janelas idênticas rematadas por cornijas, todas com guardas de ferro forjado. Nos panos intermédios três portas-janelas de cada lado, iguais às que na frontaria flanqueiam o portal. Nos panos extremos, uma porta-janela antecedida de degraus, sem guardas, de moldura igual às dos extremos da fachada principal. O pano central remata-se em frontão vazado por óculo e os laterais por platibanda, como na frontaria.

Fachada posterior

Virada para Noroeste, para o jardim da Quinta Nova da Assunção, apresenta três panos, tal como a frontaria. No central uma porta provida de degraus semicirculares, de moldura igual à do portal principal, ladeada por duas portas-janelas com guarda de ferro, idênticas às das restantes fachadas. Remate em frontão vazado por óculo.

Nos panos laterais rasgam-se duas janelas em arco pleno com guardas, encimadas por cornija. Remate em platibanda sobre cornija, igual à das restantes fachadas.
fachada 1

BASTOS, Celina e FRANCO, Anísio – “Para memória futura: interiores autênticos em Portugal”, in Casas Senhoriais Rio-Lisboa e seus interiores (dir. de Marize Malta e Isabel Mendonça), Rio de Janeiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro; Lisboa, Instituto de História da Arte da FCSH da Universidade Nova de Lisboa e Fundação Ricardo Espírito Santo Silva, 2014, pp.69-103.

CONSTANTINO, Ana Margarida da Silva – "A Quinta Nova d'Assumpção: o século XIX com todo o seu esplendor", in Vária Escrita, vol. 8, 2001.

, ficha IPA.0002663, IHRU, 2005. http://www.monumentos.pt/Site/APP_PagesUser/SIPA.aspx?id=22663

STOOP, Anne de – Quintas e palácios nos arredores de Lisboa, Barcelos, Livraria Civilização, 1986.

Século XIX

1860 – início das obras do palacete, mandado construir por José Maria da Silva Rego (1810/1864), herdeiro de seu tio, Gregório da Silva Rego, armador e comerciante com ligações ao Brasil. José Maria era casado com Maria da Assunção Vieira, que deu o nome à quinta.

1863, 15 de Agosto – cerimónia de inauguração do palacete, no dia de Nossa Senhora da Assunção.

1864, 7 de Abril – à data da morte de José Maria da Silva Rego, as obras do palacete não estavam ainda concluídas.

Século XX

c. de 2001 – aquisição da quinta e do seu palacete pela Câmara Municipal de Sintra a Georgina Lamas Veiga Rego.


Coordenação:   Isabel Mendonça  /  Helder Carita     Julho de 2014 

Autoria dos textos referentes aos campos da ficha:

Alexandre Lousada – Pintura Decorativa / Azulejaria

Isabel Mendonça – Estuques

Lina Oliveira – Arquitectura (Fachadas, Cronologia, Bibliografia) / Decoração diversa

Tiago Molarinho Antunes – Arquitectura (Enquadramento Urbano e Paisagístico, Morfologia e Composição) / Programa Interior

Programa Interior
Piso 0

Este é o piso nobre do palacete e encerra uma zona de aparato, uma zona privada e outra de serviços. A sua organização corresponde a um grande número de divisões ortogonais e intercomunicantes em torno de um corredor central. Situado imediatamente após um pequeno vestíbulo, junto à fachada principal, a Sudeste, ocupa toda a extensão longitudinal do edifício. É dividido em duas partes e termina a Noroeste, na fachada que dá para o jardim da quinta. 

A zona de aparato situa-se em toda a extensão, a Sudoeste do corredor central do palacete. A zona privada situa-se a Nordeste do corredor central, na parte esquerda. No mesmo alinhamento encontra-se a zona de serviços, composta por cozinha, despensa e copa. Entre estas duas zonas situa-se a escada de acesso ao piso superior.

Piso 1

O piso superior do palacete destina-se a zona de quartos, cujo acesso se faz por uma escada situada numa divisão central da zona de serviços. Tem uma planta rectangular e simétrica, é circundada de divisões ortogonais que dão para os dois corredores cruzados, iluminados respectivamente por quatro óculos distribuídos por cada topo do corredor. Possui ainda uma claraboia plana, em forma de óculo central, no tecto da zona central do corredor.

Azulejaria
Piso 0, divisão 17

Paredes revestidas a azulejos figurativos policromados, da 2ª metade do século XIX, atribuídos a Luís Ferreira. Painéis com a representação em trompe l’ oeil de animais de caça, enchidos, carnes, peixes e crustáceos pendentes num varão sobre um panejamento e folhas de louro. Painéis de azulejos em azul e branco de padrão “estrela e bicha” e florões, delimitados por um friso com elementos vegetalistas estilizados.

Piso 0, divisão 18

Paredes revestidas a azulejos em azul e branco de padrão “estrela e bicha”, da 2ª metade do século XIX, delimitados por um friso com elementos vegetalistas estilizados.

Estuques
Piso 0, divisão 1

O tecto do vestíbulo, em forma de falsa cúpula com caixotões e rosácea central, é rodeado por cimalha envolvente com molduras  decoradas com folhas de acanto, óvulos e dardos. Os quatro cantos são preenchidos por cartelas de acantos e enrolamentos flamengos, centradas pelas iniciais douradas do nome do proprietário - “J”, “M”, “S”, “R” (José Maria da Silva Rego). Um engradado de pequenas flores preenche o fundo do tecto, entre os caixotões e a sanca, intercalado, a meio de cada um dos lados, por mascarões rodeados por folhagem de acanto. Os estuques datam da campanha de decoração que acompanhou a construção do palacete, em meados da década de 1860.

Piso 0, divisão 2

Tecto sanqueado, com cimalha envolvente com moldura de folhas de água. O tecto, centrado por rosácea, é compartimentado em painéis densamente preenchidos por enrolamentos vegetalistas e motivos florais. Os estuques datam da campanha de decoração que acompanhou a construção do palacete, em meados da década de 1860.

Piso 0, divisão 3

O tecto mais decorado do palacete, do salão nobre ou sala dos espelhos, com muitos apontamentos a ouro, é rodeado por sanca moldurada decorada com mísulas, mascarões e folhas de acanto. A superfície do pano central é densamente preenchida por painéis de perfil contracurvado, decorados com engradados de pequenas flores e enrolamentos vegetalistas. A meio da composição uma exuberante rosácea ovalada. Ladeando os painéis, a meio dos quatro lados, destacam-se cornucópias com flores e joias, uma possível alusão à prosperidade do proprietário. Os estuques datam da campanha de decoração que acompanhou a construção do palacete, em meados da década de 1860.

Piso 0, divisão 4

Tecto de um plano, com sanca envolvente moldurada, decorada com toro com fita enrolada e motivos vegetalistas. Um friso de acantos envolve a pintura central. Os estuques datam da campanha de decoração que acompanhou a construção do palacete, em meados da década de 1860.

Piso 0, divisão 5

Tecto sanqueado. Os panos oblíquos são percorridos por duplas grinaldas pendentes de mascarões femininos e sustentadas nos cantos por águias afrontadas, sobre um fundo de engradados em baixo relevo. O pano central é centrado por uma grande rosácea composta por águias de asas abertas e fogaréus, rodeada por grinaldas e reservas com enrolamentos vegetalistas e engradados. Os estuques datam da campanha de decoração que acompanhou a construção do palacete, em meados da década de 1860.

Piso 0, divisão 6

Os estuques relevados imitam a madeira escura, entalhada. A sanca envolvente é composta por molduras  decoradas com folhas de acanto, óvulos e dardos. Várias molduras enquadram  as pinturas de paisagens e de motivos decorativos. A meio do tecto figura uma grande rosácea com folhas de acanto e frutos, uma alusão à função desta divisão, a sala de jantar do palacete. Os estuques datam da campanha de decoração que acompanhou a construção do palacete, em meados da década de 1860.

Piso 0, divisão 7

Tecto sanqueado. Os panos oblíquos são preenchidos por enrolamentos vegetalistas, alternando com ramos de flores e folhas de acanto. No pano central alinham-se três painéis centrados por rosácea de acantos e por florões no eixo longitudinal, enquanto os fundos das reservas laterais são densamente preenchidos por engradados conjugados com enrolamentos. Os estuques datam da campanha de decoração que acompanhou a construção do palacete, em meados da década de 1860.

Piso 0, divisão 8

Tecto sanqueado, com sanca envolvente com moldura de folhas de água. O tecto, centrado por rosácea, é compartimentado em painéis densamente preenchidos por enrolamentos vegetalistas e motivos florais. Os estuques datam da campanha de decoração que acompanhou a construção do palacete, em meados da década de 1860.

Piso 0, divisão 10

Os elementos em estuque relevado branco enquadram a composição pintada do tecto: sanca moldurada envolvente, molduras e rosácea central. Os estuques datam da campanha de decoração que acompanhou a construção do palacete, em meados da década de 1860.

Piso 0, divisão 11

Os elementos em estuque relevado enquadram a composição pintada do tecto: sanca moldurada envolvente, molduras e rosácea central. Os estuques datam da campanha de decoração que acompanhou a construção do palacete, em meados da década de 1860.

Piso 0, divisão 13

Os elementos em estuque relevado branco enquadram a composição pintada do tecto: sanca moldurada envolvente, molduras e rosácea central. Os estuques datam da campanha de decoração que acompanhou a construção do palacete, em meados da década de 1860.

Piso 0, divisão 14

Os elementos em estuque relevado branco enquadram a composição pintada do tecto: sanca moldurada envolvente, molduras e rosácea central. Os estuques datam da campanha de decoração que acompanhou a construção do palacete, em meados da década de 1860.

Piso 0, divisão 15

Os elementos em estuque relevado branco enquadram a composição pintada do tecto: sanca moldurada envolvente, molduras e rosácea central. Os estuques datam da campanha de decoração que acompanhou a construção do palacete, em meados da década de 1860.

Piso 0, divisão 16

Rosácea central rodeada por moldura circular. Meados da década de 1860.

Piso 0, divisão 17

Rosácea central rodeada por moldura circular. Meados da década de 1860.

Piso 0, divisão 20

Rosácea central rodeada por moldura circular. Meados da década de 1860.

Pintura Decorativa
Piso 0, divisão 1

Paredes, portas e bandeiras da porta com pintura decorativa da década de 1860. Remate superior da parede com um friso decorado com figuras mitológicas e florões, parte central com painéis e cercaduras de marmoreados e rosetas. Remate inferior com um friso composto por reservas com um leão, coelho, tigre e urso, intercalados por cegonhas. Bandeira arqueada da porta com pintura sobre vidro representando uma carranca com fitas no cabelo e uma tiara enquadrada por cornucópias de flores. Bandeiras laterais das portas decoradas com elementos vegetalistas estilizados.

Piso 0, divisão 2

Paredes com pintura decorativa em trompe l’oeil da década de 1860. Pintura imitando brocados com um padrão floral estilizado, intricado em linhas diagonais com cabochões. Remates com toros de louro e perolados.

Piso 0, divisão 3

Paredes com pintura decorativa em trompe l’oeil  da década de 1860. Pintura imitando brocados com um padrão de linhas diagonais, flores estilizadas e remates com sanefas e perolados.

Piso 0, divisão 4

Tecto e paredes com pintura decorativa em trompe l’oeil  da década de 1860. Tecto composto por reservas circulares com pássaros e rosas. Paredes com pintura imitando brocados com um padrão floral estilizado intrincado. Remate superior composto por conjuntos florais inseridos em cartelas com cabochões e remate inferior com um friso de estrias.

Piso 0, divisão 5
Paredes com pintura decorativa em trompe l’oeil da década de 1860. Composição formada por colunelos e baldaquinos, sanefas imitando rendas e um fundo imitando tecido drapeado com um padrão de enrolamentos vegetalistas e flores, rematado em baixo com passamanaria.
Piso 0, divisão 6
Tecto e paredes com pintura decorativa da década de 1860. Composição do tecto formada por quatro reservas, que enquadram um florão central em estuque, com a representação de andorinhas e nuvens, intercaladas por painéis com enrolamentos vegetalistas estilizados que se desenvolvem nos quatro cantos, enquadrando um medalhão central. Sanca composta por reservas que intercalam cenas com paisagens, incluindo vistas do Rio de Janeiro e o palácio da Pena em Sintra, com reservas ornamentadas com elementos vegetalistas, flores, cornucópias, sanefas e grifos. Paredes com painéis imitando tecido brocado com um padrão floral estilizado, enquadrados por um friso com flores estilizadas.
Piso 0, divisão 7
Paredes com pintura decorativa em trompe l’oeil da década de 1860. Composição formando vistas para paisagens em chinoiserie compostas por pagodes, pontes, barcos, casas chinesas, figuras tomando chá e figuras à pesca, enquadradas por uma cercadura em bambú e um lambril de grades.
Piso 0, divisão 8
Paredes com pintura decorativa em trompe l’oeil da década de 1860. Pintura imitando brocados com um padrão de florões estilizados e elementos vegetalistas.
Piso 0, divisão 9
Tecto e paredes com pintura decorativa em trompe l’oeil da década de 1860. Tecto com uma composição imitando estuques formando reservas com frisos de óvulos e toros de louro e florões no centro. Paredes com reservas e frisos de marmoreados e remate superior com um friso de medalhões em cartelas com bustos de personagens com as seguintes inscrições: “CANOVA”, “VENUS”, “APOLO”, “COND.ª SALISBURY”, “EDUARDO III”, “HERE”, “MERCURIO”, “ADRIANNA”, “VASCO DA GAMA”, “MINERVA”, “HORACIO VERNET”, “TRAVIATA”, “DONIZETI”, “RUBENS”, “MULLIER”, “MIRRA”, “VERDI”, “JOANA DARC”, “ATTILAS”, “ROSATE”, “DOUGLAS”, “MARIE”, “ROBERTO BRUCE”, “NELLI”, NEPTUNO”, “AMPHETRITE”, “CAMONES P.”, “MULEI. ABAS”, “BUCAGE P.ª”, “VERIATO”, “ARIOSTO”, “GUILHERME TEL”, “LINEU”, “RAFFAEL SANZIO”, “TROCATO TASSO P.”, “ANTINO”, “NAPOLIÃO III”, “VERGIIO P.º”, “HOMAI F.”, “ULISSES”, “OGARTE”, “MAZANIELLO”, “RECHELEU” e “OGOCHITN”.
Piso 0, divisão 10
Tecto e paredes com pintura decorativa da década de 1860. Tecto com frisos compostos por arabescos, elementos vegetalistas estilizados e estrias. Paredes com estrias e frisos com elementos vegetalistas estilizados.
Piso 0, divisão 11
Tecto e paredes com pintura decorativa em trompe l’oeil da década de 1860. Tecto com uma composição formando um enquadramento, de um florão central em estuque, com reservas decoradas com enrolamentos vegetalistas, flores, silhuetas de figuras e frisos com folhagens. Sanca decorada com figuras humanas e animais, enquadradas por enrolamentos vegetalistas, laços, tochas, cabochões pendentes, grinaldas de rosas e grifos. Paredes com uma composição formada por drapeados e passamanaria sobre um fundo de estrias, com um enquadramento arquitectónico com carrancas e volutas.
Piso 0, divisão 12
Tecto e paredes com pintura decorativa em trompe l’oeil da década de 1860. Tecto com frisos de elementos vegetalistas estilizados enquadrando um florão central em estuque. Sanca decorada com enrolamentos vegetalistas. Paredes com uma cercadura formando uma sanefa e um varão com fitas enroladas e elementos vegetalistas.
Piso 0, divisão 13
Tecto e paredes com pintura decorativa em trompe l’oeil da década de 1860. Tecto com uma composição formando um enquadramento, de um florão central em estuque, com reservas decoradas com rendas, delimitadas por elementos vegetalistas estilizados e pássaros. Sanca decorada com medalhões com cenas de anjos, enquadradas por enrolamentos vegetalistas, figuras femininas com fitas, borboletas e, nos quatro cantos, jarros com flores. Paredes com uma composição formada por colunelos e capitéis com grifos, cornija com um friso de discos, carrancas, drapeados de rendas, passamanaria e flores pendentes, sobre um fundo de estrias. Remate inferior com um friso de elementos vegetalistas estilizados.
Piso 0, divisão 14
Tecto e paredes com pintura decorativa da década de 1860, composta por cercaduras com elementos vegetalistas estilizados.
Piso 0, divisão 15
Tecto e paredes com pintura decorativa em trompe l’oeil da década de 1860. Tecto com uma composição formando um enquadramento, de um florão central em estuque, com reservas decoradas com elementos vegetalistas estilizados, delimitadas por uma cercadura com elementos vegetalistas, flores e, nos quatro cantos, conchas com carrancas. Sanca decorada com medalhões com bustos de perfil e cenas com putti, enquadradas em cartelas e elementos vegetalistas e, nos quatro cantos, reservas com flores. Paredes com uma composição formada por uma sanefa com brocados e passamanaria sobre um fundo de estrias, com um enquadramento arquitectónico com caneluras, folhas de acanto e cabochões.
Piso 0, divisão 16
Paredes com pintura decorativa da década de 1860, composta por frisos e painéis com marmoreados.
Piso 0, divisão 19
Tecto e paredes com pintura decorativa em trompe l’oeil da década de 1860. Tecto com um painel imitando tecido com um padrão de florões estilizados, enquadrado por um friso de elementos vegetalistas estilizados. Sanca decorada com enrolamentos vegetalistas e cartelas com reservas de gradinhas enquadrando flores. Paredes com uma sanefa com gradinhas e folhas de acanto enquadrando um fundo estriado.
Piso 0, divisão 20
Paredes com pintura decorativa da década de 1860, composta por um fundo de marmoreados enquadrado por uma cercadura com elementos vegetalistas intrincados.
Piso 1, divisão 1
Paredes com pintura decorativa da década de 1860, composta por painéis e frisos de marmoreados.
Piso 1, divisão 2
Paredes com pintura decorativa em trompe l’oeil da década de 1860, composta por frisos com elementos vegetalistas, cartelas, cabochões e arabescos.
Piso 1, divisão 3
Paredes com pintura decorativa em trompe l’oeil da década de 1860, composta por frisos com elementos vegetalistas, flores, colares e arabescos.
Piso 1, divisão 4
Paredes com pintura decorativa em trompe l’oeil da década de 1860, composta por frisos com folhagens, laçarias, rosas, cartelas com cabochões e arabescos.
Piso 1, divisão 5
Paredes com pintura decorativa em trompe l’oeil da década de 1860, composta por frisos com enrolamentos vegetalistas e arabescos.
Piso 1, divisão 6
Paredes com pintura decorativa em trompe l’oeil da década de 1860, composta por frisos com enrolamentos vegetalistas, laçarias, cartelas, cabochões, concheados e arabescos.
Piso 1, divisão 7
Paredes com pintura decorativa em trompe l’oeil da década de 1860, composta por frisos com enrolamentos vegetalistas, folhas de acanto, flores e arabescos.
Piso 1, divisão 8
Paredes com pintura decorativa em trompe l’oeil da década de 1860, composta por frisos com enrolamentos vegetalistas, cartelas, cabochões, folhagens, colares, pingentes e arabescos.
Piso 1, divisão 9
Paredes com pintura decorativa da década de 1860 com frisos de arabescos.
Piso 1, divisão 10
Paredes com pintura decorativa em trompe l’oeil da década de 1860, composta por frisos com enrolamentos vegetalistas estilizados, fitas, flores e arabescos.
Piso 1, divisão 11
Paredes com pintura decorativa em trompe l’oeil da década de 1860, composta por frisos com enrolamentos vegetalistas, folhagens, cabochões e arabescos.
Piso 1, divisão 12
Paredes com pintura decorativa em trompe l’oeil da década de 1860, composta por frisos com enrolamentos vegetalistas, laços, cabochões e arabescos.
Jardim
Paredes com pintura decorativa em trompe l’oeil da década de 1860. Composição formando paisagens marinhas e campestres com figuras e barcos, enquadradas por uma arcaria de arcos de volta perfeita e arcos quebrados, com colunelos e vasos com flores assentes numa balaustrada.
Decoração Diversa
Piso 0, divisão 1

Pavimento lajeado de pedras calcárias brancas, vermelhas, cinzentas e negras, imitando paralelepípedos perspectivados, centrados por estrela de oito pontas inscrita num círculo e num quadrado.

Janela de moldura em arco pleno de intradorso pintado com faixa negra entre faixas cinzentas decoradas com rosetas. Bandeira com vitral geométrico amarelo e azul.

Porta de madeira com aplicação de almofadas rendilhadas douradas emolduradas por filetes com volutas pintados de negro.

Fechadura metálica elíptica com meias-esferas e puxador de metal circular com decoração idêntica e maçaneta de cristal verde.

Ferragem de porta recortada e ferragem com tranca.

 

Piso 0, divisão 4

Fechadura metálica elíptica com meias-esferas e puxador de metal circular com decoração idêntica e maçaneta de cristal verde.

Piso 0, divisão 7

Candeeiro prismático com rendilhado metálico e vidros pintados com motivos chinoiserie de cenas galantes, guarnecido de pingentes coloridos com elementos florais e contas de vidro.

Piso 0, divisão 9

Porta de madeira com aplicação de almofadas rendilhadas douradas emolduradas por filetes com volutas pintados de negro e bandeira pintada com máscara entre duas cornucópias floridas orlada de moldura fina pontuada com motivos vegetalistas e concheados. Entre o arco e a sanca faixa pintada de vermelho e cinzento com grutescos centrados por medalhão com busto de Canova, encimada por frisos com palmetas, denticulados e toro recamado de folhagem.

Piso 0, divisão 16

Escada com guarda de ferro fundido iniciando-se num colunelo abalaustrado.

Fechadura metálica elíptica com meias-esferas e puxador de metal circular com decoração idêntica e maçaneta de cristal verde.


 
Piso 0, divisão 17

Depósitos de água de pedra calcária, um deles sobre banco de pedra com pés em forma de consola.

Armário de madeira com portas almofadadas.

Pia de lava-louça rectangular inscrita num arcossólio de pedra calcária.

Piso 0, divisão 18

Pé de pia em forma de consola estriada.

Piso 0, divisão 19

Porta apainelada.

Vão revestido de azulejos brancos e emoldurado com arco deprimido de pedra calcária.

Piso 1, divisão 1

Corredor com paredes pintadas de marmoreados brancos com molduras amarelas.

Esconsos com paredes pintadas de marmoreados brancos com molduras amarelas, com janela circular com vitral em forma de flor amarela sobre fundo azul.

Pavimento de ladrilhos formando tapete de estrelas de oito pontas circundadas por molduras curvas ligadas por pequenos quadrados.

Fechadura e puxador metálicos.

Jardim

Pavimento de lajes de pedra negra e branca formando espinhado convergente.

 
Equipamento Móvel
Equipamento Diverso


containertab

Validar
Validar
Validar
Validar
Validar
Validar
 

PTCD/EAT-HAT/11229/2009