A Casa Senhorial

  • Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte

Luís António Ferreira - “ferreira das tabuletas”

Luís António Ferreira - “ferreira das tabuletas”
XIX

Conhecido por “ferreira das tabuletas”, foi pintor de azulejos do 3º quartel do século XIX, formado na Fábrica do Rato, que executou obras extremamente criativas, de carácter ingénuo e ecléctico, para as fábricas da Viúva Lamego, de que chegou a ser o director artístico, e da Calçada do Monte, sobrepondo-se a sua imaginação à simplicidade revelada nas fontes de inspiração, formas, composições e motivos adaptados ao azulejo.

Dos seus trabalhos em Lisboa destacam-se: os painéis no interior da Cervejaria Trindade; uma fachada de um edifício no Largo Rafael Bordalo Pinheiro, datada de 1864, de gosto romântico, com figuras alegóricas em nichos, de gosto barroquista, e emblemática de temática maçónica; a frontaria da Fábrica Viúva Lamego, no Largo do Intendente, de 1865, com uma série de elementos figurativos, ornamentais e naturalistas pintados de forma tradicional sobre esmalte estanífero branco, onde se combinam influências neoclássicas com elementos exóticos de expressão naif; os painéis que revestem os muros de um jardim, numa casa particular da Rua de São Mamede ao Caldas, preenchidos com elementos de fauna e flora exótica, figuras humanas, arquitectura e paisagens; os painéis da Quinta Nova da Assunção em Belas; e ainda uma fachada de uma loja de tecidos em Setúbal em estilo romântico em que o Comércio e a Indústria são representados por figuras alegóricas mitológicas.

Atribuem-se ao mesmo artista a fachada de uma casa senhorial voltada ao Campo de Santa Clara e dois painéis num muro da Rua Neves Costa, em Carnide.

 No Museu Nacional do Azulejo existem algumas obras do Ferreira das Tabuletas, como um painel com um vaso florido polícromo e 4 colunas rematadas por símbolos bebidos na tratadística emblemática, em azul-cobalto sobre fundo branco, provenientes de um jardim de uma casa dum rico comerciante galego e datados de cerca de 1860.

Bibliografia

MECO, José – A Azulejaria Portuguesa. Lisboa: Bertrand editora, 1985.

Idem – O Azulejo em Portugal. Lisboa: Publicações Alfa, 1989.

TEREIRA, João Castel-Branco – As Colecções do Museu Nacional do Azulejo, Lisboa. Lisboa: I.P.M., 1998.

VELOSO, A. J. Barros; ALMASQUÉ, Isabel – Azulejos de Fachada em Lisboa. Lisboa. Câmara Municipal de Lisboa, 1989.

Idem – Azulejaria de Exterior em Portugal. Lisboa: edições INAPA, 1991.

 

PTCD/EAT-HAT/11229/2009